O que é Bitcoin e como funciona?

Basicamente Bitcoin é um dinheiro virtual, criado no advento da internet, favorecendo a compra e venda de produtos e serviços através da rede de computadores.

A aceitação do Bitcoin vem aumentando e hoje é possível  fazer uma série de coisas utilizando esta moeda virtual, podendo ser online ou offline, seja para comprar pizza, se inscrever em um serviço online, ou até mesmo fazer as compras em seu supermercado favorito.

Bitcoins são diferentes das moedas tradicionais pois é uma forma descentralizada de dinheiro. Esta moeda não é apoiada por nenhum governo e não é ligada a qualquer tipo de autoridade emissora ou sistema bancário.  

Você pode usar Bitcoins para todos os tipos de transações reais. Para fazer isso, primeiro terá que comprar Bitcoins da maneira que quiser, seja através de seu cartão de crédito, conta bancária ou mesmo anonimamente com dinheiro. Em seguida, seus Bitcoins são transferidos diretamente para sua conta Bitcoin, e você pode enviar e receber pagamentos diretamente a um comprador ou vendedor, sem a necessidade de um intermediário, como um banco ou empresa de cartão de crédito.

Ao pular o intermediário na transação, você paga muito menos em taxas associadas. Cada uma das partes no acordo também pode manter um nível muito mais elevado de anonimato.


Pagar ou receber Bitcoins é tão fácil como enviar um e-mail, e você pode usar seu computador ou smartphone. Essa simplicidade esconde o fato de que há uma matemática complexa para proteger todas essas transações e para manter sua legitimidade e segurança.


A história recente do Bitcoin

O conceito foi desenvolvido por uma pessoa (ou pessoas) que trabalhava sobre o pseudônimo de Satoshi Nakamoto. Em 2008, no auge da crise financeira, foi publicado um documento descrevendo a viabilidade do conceito Bitcoin e as falhas e riscos do sistema bancário tradicional, apoiado pelo governo. As falhas apontadas eram um motivador para a criação da moeda Bitcoin.   

Em 2009, foi lançado o primeiro aplicativo Bitcoin e os primeiros Bitcoins entraram em circulação.

Para utilizar os Bitcoins, você precisa de um software, denominado “software carteira”, que criptografa e mantém o seu saldo Bitcoin em seu computador ou smarthphone. Em seguida, você pode preencher o seu saldo com Bitcoins, usando sua conta bancária, cartão de crédito ou outra forma de pagamento.O próximo passo é encontrar um fornecedor que irá aceitar Bitcoins como pagamento. 

Embora seja difícil encontrar quem aceite, principalmente no Brasil, o número de estabelecimentos vem crescendo com o passar do tempo. Isso inclui restaurantes, lojas de vestuário, dentistas e muitos outros. Algumas pessoas utilizam Bitcoins para alugar imóveis e comprar veículos. E se você usar um serviço do tipo Bitspend ou Bitpay, poderá utilizar Bitcoins para compras em uma infinidade de lojas.

A moeda virtual não é usada somente para compra de bens e serviços. Existe uma onda de especulação forte em cima do Bitcoin onde muito dinheiro real é investido. Ou seja, as pessoas investem seu dinheiro em Bitcoins, esperando que exista uma valorização da moeda. Muitas fortunas foram feitas, mas em contrapartida, muitas pessoas também perderam dinheiro muito dinheiro.



Uma moeda complicada

Diferente da moeda tradicional, o Bitcoin não existe fisicamente e depende inteiramente de uma rede de computadores descentralizada e criptografada. 

O sistema Bitcoin segue o principio das redes P2P (peer to peer), ou seja, não há um servidor central tomando conta dos processos e sim uma rede descentralizada onde cada usuário é responsável de maneira indireta, pelas transações ocorridas. É esta natureza descentralizada, que torna o Bitcoin protegido (até agora) contra a intromissão dos governos, livre de regulamentação e controle.

É comum alguns usuários deixarem seus computadores ligados para auxiliar na rede Bitcoin e com isso receber uma comissão pela ajuda. Esta prática é denominada “mineração”. 

A mineração é o processo de usar capacidade de processamento para processar transações, garantir a segurança da rede, e manter todos participantes do sistema sincronizados e receber um “prêmio” por isso. Para entrar no sistema de mineração, o usuário deve usar um aplicativo denominado “mining”. 

Você deve estar se perguntando quanto vale esse trabalho? A grosso modo, 12 horas de trabalho rendem 0,30 Bitcoins (BTC). Na cotação de hoje renderia 13 dólares. Se você descontar o custo da energia elétrica e do desgaste do computador, não sei até que ponto é um bom negócio. Para consultar a cotação do Bitcoin atualizada, utilize o Coindesk.

Como você já sabe, você pode acumular seus próprios Bitcoins em uma carteira digital. Quando você enviar ou receber moedas, eles serão verificadas por uma assinatura digital, chamada de chave de criptografia pública, o que impede a falsificação de moedas e torna reconhecível à rede. Em certo sentido, a rede compartilha uma contabilidade aberta (a chamada blockchain) de todos os Bitcoins, fornecendo uma maneira confiável e redundante de manter o número de Bitcoins em circulação.

O código para desenvolvimento da engenhosa rede de dinheiro virtual é open-source, ou seja, livre do controle de empresas e disponível a qualquer programador de boa vontade que deseja se envolver na estrutura Bitcoin.

A questão do dinheiro

Depois que os Bitcoins ingressaram na sua carteira, você pode deixá-los lá, aguardando uma valorização ou trocá-los por dinheiro real. Se você armazena os dados em seu computador, é bom ter um backup da sua “carteira” ou seus Bitcoins serão perdidos em caso de defeitos no seu HD. Lembre-se que nenhuma empresa cuidará do backup da sua “carteira” de Bitcoins. 

Transações com Bitcoins são irreversíveis e, geralmente, muito rápidas. No entanto, para compartilhas a transação com a rede inteira, as vezes são necessários alguns minutos.

Como não há regulamentação, você pode enviar qualquer valor de Bitcoins para dentro ou fora do país, sem esbarrar em taxas absurdas ou cobrança de serviços.

Especulação assustadora

A moeda Bitcoin aos poucos vai ganhando legitimidade. Muitas pessoas passaram a confiar na moeda, gerando uma especulação absurda.

Em 2010 uma unidade valia alguns centavos, em meados de 2011 passou a valer USD 30,00. No final de 2011 caiu para USD 2,00.

Muita gente embarca neste mercado querendo especular e ganhar muito e acaba quebrando a cara com suas variações vertiginosas. Alguns economistas apontam a criação de uma bolha eminente, prestes a estourar. Outros definem o Bitcoin como uma moeda criada para otários e especuladores.

As operações de câmbio online, para ingresso e retirada de dinheiro real, que a principio deveriam ser descentralizadas, são um prato cheio para hackers e agencias reguladoras dos governos.


Os hackers por enquanto não conseguiram explorar o sistema a ponto de criar moedas falsas ou transações fraudulentas, mas já conseguiram atacar as trocas, que são vulneráveis como qualquer outro serviço na internet. Em um incidente amplamente divulgado, os hackers lançaram um DDoS (ataque distribuído de negação de serviço), tornando o sistema inacessível. Neste dia o valor do Bitcoin na cotação diária despencou!

Atividades ilegais

Bitcoins não são controladas por governos e não obedecem nenhuma jurisdição. Com Bitcoins, pessoas do mundo inteiro podem participar de jogos de azar online, comprar drogas ilícitas anonimamente, armas e uma série de outras atividades ilegais.

Sites como o Black Market Reloaded, AlphaBay e o extinto Silk Road, oferecem praticamente tudo que você pode imaginar, desde serviço ilícitos (sequestradores, pistoleiros) até a venda de drogas. O pagamento é feito através de dinheiro virtual.

No extinto site Silk Road, Bitcoins era a única moeda aceita. Depois de ler atentamente o anuncio das mercadorias ilícitas e as avaliações do vendedor, o comprador transferia Bitcoins em caução. Quando confirmado o recebimento da mercadoria por parte do comprador, o dinheiro era liberado para o vendedor e a negociação finalizada. Milhões de dólares em bens e Bitcoins circulavam por meio do do Silk Road a cada ano. 

O anonimato da moeda Bitcoin facilita a evasão fiscal, permitindo esconder ativos em alguma carteira digital, com relativa segurança, fora do alcance de cobradores de impostos. Um trabalho simples que pode ser realizado em uma tarde.


Vantagens do Bitcoin

  1. Conveniência no pagamento: não é necessário ir até um banco. Você pode fazer pagamentos a qualquer hora, em qualquer lugar, pagar qualquer pessoa no mundo.
  2. Baixas taxas: o processamento das operações requer uma taxa muito baixa.
  3. Baixo risco para os comerciantes: as transações são seguras, irreversíveis e anônimas.


Desvantagens do Bitcoin

  1. Baixa aceitação: poucos estabelecimentos aceitam a moeda, no Brasil é mais difícil ainda.
  2. Volatilidade: como o número de Bitcoins em circulação ainda é pequeno, a moeda oscila constantemente em decorrência de fatores externos.
  3. Desenvolvimento contínuo: a tecnologia ainda não está madura e demanda desenvolvimento contínuo e testes constantes.

Bitcoin é apenas o começo

As altas e baixas vertiginosas da cotação do Bitcoin, são claros sinais de alerta de que esta nova moeda digital é instável. Até o dia em que mais pessoas realmente passem a usar a moeda para compra de bens, ao invés de especular, é difícil prever se o Bitcoin veio de fato para ficar.  
No momento, o valor da moeda flutua tanto, que especuladores empurram o valor do Bitcoin na estratosfera, para que possam vender e fazer lucro.

Nerds empresariais montam pilhas de servidores poderosos dedicados exclusivamente à “mineração” de Bitcoins, competindo contra outros mineiros no mercado. No processo, eles gastam tanto dinheiro em componentes de informática e energia elétrica, que acabam não obtendo o lucro desejado. Além disso, alguns ambientalistas irados, justificam que a energia gasta com mineração de Bitcoins daria para abastecer cerca de 31.000 lares norte-americanos por dia.

Em paralelo, uma série de outras moedas surgem a cada dia, apontando suas vantagens em relação as demais. São elas PPcoin, Namecoin, Ripple, Freicoin, Litecoin, entre outras.

Independente de ser Bitcoins, dólares, euros, ou francos, nossa economia global exige que todos possam confiar em um sistema monetário que faça sentido. Talvez nos próximos anos, uma moeda digital possa reunir confiança o suficiente, e ultrapassar moedas mais tradicionais. Até lá, o fenômeno Bitcoin, corre o risco (ou não), de sumir sem deixar rastros. 

Há também uma série de questões não respondidas sobre a natureza da própria moeda virtual. O mundo está realmente pronto para mudar da moeda papel, estabelecida há séculos, para uma versão puramente online e digital? Só o tempo irá dizer.

Cursos sobre Bitcoin


CURSO Academia Do BitCoin – Ganhar Dinheiro Com BitCoin 
http://bit.ly/1mlbjlD

CURSO de Bitcoin para novatos vídeo
http://bit.ly/1YKTadg

CURSO O Que É Bitcoin – Guia Definitivo!
http://bit.ly/1Tm7jMA

Sites relacionados

Bitcoin.com

Bitcoin.org

Mercado Bitcoin

Bitcoin.org – Wallets (Informações e download de softwares para Carteira Bitcoin).

Um abraço e até a próxima!
 

Fabio Nascimento

Profissional com 20 anos de experiência na área de Segurança Eletrônica, sendo 14 deles dedicados a projetos, suporte e treinamentos na área de CFTV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *